Mulher

Restauradas – Uma ONG para vítimas de mutilação genital

A ONU estima que 92 por cento das egípcias passou por um procedimento que visa diminuir a sensibilidade sexual, cobrindo ou cortando o clítoris.

Foi primeiramente documentada no ano 5 antes de Cristo por Herodoto no Egito.

Além do óbvio trauma, o procedimento pode levar a infecções e incontinência urinária. O procedimento acontece em hospitais com uma péssima desculpa de fins estéticos mas muitas vezes é feito por pessoas sem nenhuma educação na área de saúde e poucas condições de higiene.

ONU condena mais uma morte de menina por mutilação genital no Egito

Mais do que os efeitos físicos, estão os piscológicos como o transtorno-pós-traumático, aonde a vítima revive o momento da violência várias vezes internamente.

Histórias de Purificação

Por isso ao receber um paciente, primeiro são feitas sessões de terapia sexual para atender e acolher o trauma psicológico e depois concertar, na medida do possível a mutilação.

Você pode indicar a alguém que precisa ou fazer doações pela página no Facebook.


Deixe seu comentário e siga o blog Vida no Egito.

Gostou dessas dicas e quer saber mais? Siga nossas redes sociais: Instagram, Facebook e Youtube. E fique por dentro de tudo o que acontece aqui na terra dos faraós!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.