Cotidiano

Egito criou, Brasileiro aperfeiçoou

Mais um post que é para rir e não se ofender. Vamos brincar com as melhores invenções egípcias e suas respectivas versões brasileiras.

Pizza

What was the diet of the pyramid builders?

Os antigos egípcios eram ávidos especialistas em fermentação e já haviam desenvolvido a tecnologia para fermentar grãos (cerveja) e frutas (vinho). A fermentação da massa era, portanto, iminente. Na verdade, durante grande parte da história, o padeiro e o fabricante de cerveja trabalharam juntos. Para ajudar a “iniciar” o processo de fermentação da massa, os padeiros usavam uma cultura de levedura obtida como subproduto da fabricação de cerveja. Daí o nome “khameera beera” para fermento fresco em árabe, ou “lievito di birra” em italiano. Hoje em dia, “fermento de cerveja” ou “fermento de padeiro” é um organismo unicelular que podemos produzir comercialmente, mas um verdadeiro precursor de fermento, uma colônia viva de bactérias e fungos saudáveis ​​usados ​​para fermentar o pão. Seamus Blackley, entusiasta da panificação e inventor do X-Box, trabalhou em estreita colaboração com arqueólogos e cientistas para extrair uma cultura de fermento do Egito Antigo de 4.500 anos e trazê-la de volta à vida para fazer pão hoje! * Isso nos dá um vislumbre incrível do tipo de pão que eles eram capazes de produzir há milhares de anos. Acho isso fascinante!

O pão foi realmente um catalisador para a civilização. Já em 6.000 AC, os antigos egípcios, como nação civilizada, eram conhecidos por usar pão em sua dieta . Acredita-se que a produção de pão tenha instigado a necessidade de assentamentos humanos: fazer pão era um esforço coletivo que começava com o plantio das sementes, depois colhendo os grãos, depois secando, moendo e finalmente assando o pão. O pão fermentado foi revolucionário porque foi capaz de encher mais bocas famintas com a mesma quantidade de água e farinha. Essas inovações se espalharam rapidamente pelas civilizações mediterrânea e europeia, bem como pelo Crescente Fértil. O pão tornou-se o alimento principal tanto para ricos como para pobres e, no antigo Egito, era frequentemente coberto ou aromatizado com ingredientes locais como ervas, sementes de coentro, manteiga, ovos ou mel e frutas secas. Era até usado como moeda. Ele dominou quase todas as facetas da vida egípcia antiga.

Outra inovação indispensável trazida pelos antigos egípcios não é outro senão o próprio forno. Nosso amado “forno baladi” é o ancestral do moderno forno napolitano. Se tivéssemos descoberto como fazer pão no antigo Egito, o próximo passo lógico seria descobrir como assá-lo. O antigo forno egípcio consistia em uma cúpula pontiaguda feita com lama do Nilo, com uma câmara separada sob uma laje de pedra onde o fogo seria aceso. Essa tecnologia foi adotada pelos gregos, que desenvolveram os primeiros fornos a lenha onde o pão podia ser colocado diretamente ao lado do fogo, na mesma laje de pedra. Os romanos então adotaram essa tecnologia e a desenvolveram ainda mais, melhorando a forma da cúpula, a retenção de calor e os materiais usados ​​para fazer os fornos. Os fornos napolitanos são capazes de sustentar uma temperatura de bem mais de 550 graus Celsius, o que significa que são capazes de cozinhar pão achatado em questão de segundos. Mais comida, mais rápido para todos.

Assim como os antigos egípcios temperavam seus pães com especialidades locais, os napolitanos faziam o mesmo. No final dos anos 1700, os camponeses de Nápoles começaram a colocar tomates – que provaram ser uma safra abundante e bem-sucedida nos 200 anos anteriores – em seus pães achatados. Foi o alimento dos pobres durante a maior parte de sua história e era pouco conhecido fora de Nápoles. Mas quando o reino da Itália foi unido em 1889, a nova rainha Margherita fez uma visita ao reino de Nápoles para apaziguar seus cidadãos. Ela tinha ouvido falar de pizza e pediu o melhor padeiro napolitano de seu tempo para fazer uma para ela. O resto, como dizem, é história.

Versão Brasileira

Fonte: Attia, Venice: Bread in Ancient Egypt, Egyptian Ministry of Tourism & Antiquities

Sorvete

Acredita-se que até mesmo gelo com sabor foi produzido na sobremesa do Saara no antigo Egito durante a primeira dinastia em 2890 a.C., colocando-se bandejas de argila finas com água em camas de palha, que congelariam durante a noite por evaporação e baixas temperaturas noturnas.

Versão brasileira

Cerveja

A cerveja foi resultado da Revolução Agrícola (c. 10.000 aC), já que a fermentação era um subproduto acidental da coleta de grãos silvestres. Diz-se que a cerveja não foi inventada, mas descoberta, mas a fabricação da cerveja foi uma escolha ativa e os antigos egípcios a produziram e consumiram em grandes volumes.

Então: No antigo Egito, a cerveja era tão essencial que era tratada principalmente como um tipo de alimento – era consumida diariamente e em grandes quantidades em festas e celebrações religiosas. A cerveja era essencial para os trabalhadores, como aqueles que construíram as pirâmides de Gizé, que recebiam uma ração diária de 1⅓ galões (mais de 10 litros). No entanto, ainda tinha status divino, com vários deuses e deusas associados à cerveja. Hathor, a deusa do amor, da dança e da beleza, também era conhecida como ‘A Senhora da embriaguez’.

Fonte: https://blog.britishmuseum.org/a-sip-of-history-ancient-egyptian-beer/

Cervejas Brasileiras

Vinho

De 1550 a 1070 aC, o Egito dominou o comércio de vinhos. Embora o vinho não existisse originalmente na região, ele chegou ao Egito por meio do comércio, e os egípcios o abraçaram e melhoraram de todo o coração. Eles primeiro introduziram ânforas padronizadas para tornar o transporte do vinho mais fácil, criando selos de junco e argila que protegiam o vinho enquanto ele viajava pelo mundo.

À medida que o Egito se tornou o centro do mundo do vinho, o vinho se tornou a bebida de prestígio entre a nobreza. Os sumos sacerdotes e reis se apaixonaram pelo vinho e começaram a colecioná-lo aos milhares, construindo enormes adegas para armazenar os vários vinhos que adquiriam. Eles até trouxeram os vinhos com eles para a vida após a morte – o rei Tutancâmon foi enterrado com mais de 26 ânforas cheias de diferentes vinhos – e eles cercaram túmulos com vinhos muito procurados que muitos pensaram que os beneficiariam no outro mundo.

Versão brasileira

Pasta de Dente

Os primeiros historiadores da civilização documentaram o uso de uma mistura parecida com pasta de dente para escovar os dentes foram os egípcios. Acredita-se que tenha sido usado já em 5.000 aC, embora a primeira fórmula registrada remonte a 4 dC. Sua mistura simples continha:

Sal-gema triturado
hortelã
Flores de íris
Pimenta

Como você pode imaginar, essa fórmula causou muita irritação e sangramento gengival.

Embora em termos de eficácia, ele limpou os dentes muito bem. Alguns até diriam que foi o tratamento de limpeza oral mais eficaz usado até quase um século atrás.

Fonte: https://stetsonhillsdentist.com/the-history-of-toothpaste/

Relembre alguns produtos que foram sucesso de vendas nos anos 90 | Clube  Regional
Versão Brasileira

Categorias:Cotidiano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.