Cotidiano

Magia Negra no Egito

Este post é uma tradução do artigo “A hidden world of superstitions and black magic” publicado no Daily News Egypt.

Hala Salah, 45, sempre rejeitou a ideia de magia negra e feitiços até que um dia ela afirma ter sido forçada a acreditar no contrário.

“Embora meu marido e eu tenhamos um casamento feliz nos últimos 13 anos, no ano passado senti que ele mudou”

Hala Salah

Foi quando ela sentiu que ele havia caído em uma maldição e foi aconselhada por amigos a procurar a ajuda de um feiticeiro.

“Quando fiz, tive o maior choque da minha vida: ele [o feiticeiro] perguntou se eu estava grávida. Quando eu disse não, ele insistiu que a esposa da pessoa em questão está grávida. Eu considerei tudo irrelevante, mas alguns dias depois alguns amigos vieram me dizer que ele tinha outra esposa. E quando o encurralei, ele confessou e disse que a mulher estava grávida. Depois daquele incidente, como você não quer que eu acredite?

Hala Salah

Em uma era de avanço tecnológico e progresso científico, muitas pessoas bem-educadas no Egito e também no mundo árabe ainda recorrem à magia negra e acreditam em superstições.

Lançar feitiços e contatar o mundo de Jinn e espíritos tem sido praticado por séculos nas culturas do Oriente Médio, onde as pessoas recorrem às habilidades de um saher (alguém que pratica magia negra) para organizar a ordem das coisas da maneira que os clientes desejam.

Hoje, há pessoas se voltando para a magia negra e outras superstições, embora certos versos do Alcorão indiquem que recorrer à magia negra e ao mundo dos Jinn é um pecado grave.

O assunto magia negra é tão extenso que levaria anos para ser estudado e analisado. Todos os tipos de fontes – livros ou sites – forneceriam um tesouro de informações sobre o tema. Magia é definida como a habilidade de mudar a natureza das coisas, fazendo com que pareçam diferentes do que realmente são aos olhos daquele que é alvo do feitiço.

Um estudo realizado sobre o assunto pelo Dr. Mohamed Abdel Azim do Centro de Pesquisa Criminal em 2005 apontou que há mais de 300.000 pessoas praticando magia negra em diferentes partes do Egito.

O estudo observou que cerca de US $ 5 bilhões são gastos anualmente em superstições no Egito e no resto do mundo árabe.

De acordo com o estudo, 38 por cento das figuras públicas nos campos do cinema, esportes, cultura e política em algum momento recorreram a esses “feiticeiros”.

Obsessões que preocupam as mentes dos egípcios, incluindo solteirice, infertilidade e potência sexual, desencadeiam a necessidade desses tipos de serviços, que estão disponíveis no Cairo, principalmente em distritos populares como Sharabiya e Sayeda Zeinab.

Murtada Adel, consultor jurídico aposentado, tinha uma filha que enfrentava problemas para se casar. Quando sua esposa lhe contou que sua cunhada a havia enfeitiçado com um feitiço maligno, ele se recusou a acreditar.

Um mês depois de visitar um destruidor de feitiços, a garota ficou noiva, embora Adel ainda esteja tendo dificuldade em acreditar que foi mais do que pura coincidência.

Mas, enquanto a crença na magia negra e práticas relacionadas permanece profundamente enraizada, as autoridades religiosas continuam a minar sua natureza ilusória e alertar as pessoas contra as consequências.

Apresentado pelo canal Al-Jazeera, “Sharia Wal Hayat, o Sheikh Yousif Al Qaradawi, um conhecido estudioso muçulmano, explicou que o mundo de Jinn realmente existe. Tendo dito isso, ele assegurou que não é capaz de tais feitos que muitos atribuem a ele.

Ele argumentou que Jinn é inferior ao homem, o que torna impossível para o homem contar com ele para satisfazer suas necessidades.

Citando fontes confiáveis sobre o assunto, Al Qaradwai apontou que se os feiticeiros fossem realmente capazes de causar o bem ou o mal, seria possível para eles confiscar propriedades, extrair tesouros da terra e conquistar países.

Enquanto isso, o Dr. Safwan Mahmoud, que afirma ser um exorcista profissional, oferece serviços pagos a clientes em casa e vai a casamentos com o objetivo de fornecer proteção caso um feitiço seja lançado sobre os noivos felizes.

Alguns de seus clientes revelaram que, ao visitar suas casas, ele derramou alguns líquidos em locais onde se acredita que tenham sido lançados feitiços. No caso do feitiço ser interno – afetando o corpo – ele recita em voz alta o Alcorão Sagrado.

“Nem todos os exorcistas são genuínos. Gostaria de salientar que o exorcista não deve necessariamente estar familiarizado com os métodos dos feiticeiros para que ele seja capaz de tratar a pessoa enfeitiçada. Se ele ou ela começar a contar a você sobre a origem do feitiço e o caráter do perpetrador, você deve imediatamente descartá-los como fraudulentos, pois o verdadeiro exorcista deve curar apenas com a ajuda do Alcorão Sagrado.

Nour Mohamed, Imam de uma mesquita de Maadi.

Na semana passada, as confissões de um feiticeiro saudita arrependido foram um golpe para os praticantes da mesma linha de trabalho. A imprensa noticiou que Dawood El Rimi, o mago mais notório de Mecca e do mundo árabe, que pratica magia negra há 40 anos, renunciou à carreira e confessou publicamente suas maldades.

Tendo desfeito lares e causado a separação de casais ao longo dos anos,

Dawood El Rimi – Feiticeiro

El Rimi confessou que um feiticeiro nunca pode se familiarizar com o desconhecido. Ele acrescentou que um feiticeiro diria a você uma palavra de verdade e mil mentiras, mas alguns dos fatos que ele pode revelar são o resultado de fazer amizade com um Jinn que lhe traz pedaços de notícias sobre seus clientes e seus inimigos.

Existem Jinn piedosos, mas eles não podem ser possuídos por mágicos ou aceitar estar a serviço de qualquer homem, El Rimi explicou, admitindo que a ignorância sobre a verdadeira religião foi o que o levou a seguir este caminho.

A Dra. Nadra Wahdan, sociólogo do Instituto Nacional de Planejamento, duvida que a confissão de El Rimi impeça as pessoas de confiar em tais superstições.

No Egito, assim como em outros países do Terceiro Mundo, o impacto das crenças é muito mais forte do que o da cultura. Mas o fato de o mundo dos espíritos e dos Jinn realmente existir não se traduziria necessariamente no fato de que sabemos sobre eles e que esses feiticeiros dominaram seus caminhos. Devemos descartar seu conhecimento como sendo falso e irrelevante. Talvez os segredos deste mundo residam em algumas outras ciências como a parapsicologia, que é capaz de fazer milagres de natureza divina. Mas nem todos podem alegar ser versados nessa ciência. Eu também duvido que os feiticeiros ou qualquer outro grupo tenham conhecimento sobre a natureza desses poderes invisíveis. Os antigos poderiam estar familiarizados com essas ciências, mas pouco foi traçado sobre o quão experientes eles eram. O assunto deve ser abordado desde a infância. Mais uma vez, a cultura é a chave. Foco na cultura para combater superstições,

Dra. Nadra Wahdan

Todos os nomes dos entrevistados envolvidos com magia negra foram alterados.


Deixe seu comentário e siga o blog Vida no Egito.

Gostou dessas dicas e quer saber mais? Siga nossas redes sociais: Instagram, Facebook e Youtube. E fique por dentro de tudo o que acontece aqui na terra dos faraós!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.