Notícias

O Ministério Público do Egito interrompe temporariamente a investigação do caso de estupro coletivo no Hotel Fairmont

O Ministério Público do Egito emitiu uma ordem temporária no começo de maio para suspender o processo penal em relação ao caso de estupro coletivo no Hotel Fairmont – que se refere a um crime sexual ocorrido em fevereiro de 2014 – devido a evidências insuficientes e ordenou a libertação dos réus detidos em conexão para a investigação.

O Ministério Público afirmou em nota que as investigações duraram cerca de nove meses e concluiu que as provas não são suficientes para encaminhar os arguidos a julgamento criminal.

Nos estágios iniciais da investigação, o Ministério Público acompanhou no ano passado os acontecimentos nas redes sociais e o que circulou online sobre o ocorrido. O comunicado acrescentou que as autoridades ouviram a história da vítima e uma testemunha que estava presente durante a noite em que o crime sexual ocorreu. Os investigadores também ouviram 39 outras testemunhas, bem como funcionários do hotel, médicos forenses, policiais e outros que afirmam ter visto um vídeo do estupro coletivo.

As fotos também foram enviadas para o Ministério Público, que mostrou o corpo nu de uma menina, mas as autoridades dizem que não conseguiram identificá-la ou a qualquer outra pessoa que apareceu nelas. A acusação acrescentou que muitas das testemunhas, incluindo a única testemunha ocular, não conseguiram identificá-la.

O Ministério Público afirmou ainda que, desde o início, tomou medidas severas em relação aos arguidos, acrescentando os seus nomes às listas de proibição de viagens e ordenando a sua detenção à chegada. As autoridades também emitiram ordens para perseguir aqueles que haviam fugido para o exterior – três foram presos no estado do Líbano e outro no Egito.

O vídeo do incidente não foi submetido ao Ministério Público e sua disponibilidade teria contribuído para revelar a verdade sobre o incidente, observa o comunicado.

Em resposta, o Ministério Público tomou medidas para acompanhar as circunstâncias da segunda fase de sua investigação, a fim de assegurar que todos os meios sejam empregados para se chegar à verdade. Em comunicado oficial emitido a 24 de fevereiro deste ano, o Ministério Público convocou quaisquer pessoas de interesse ou potenciais testemunhas para submeter o alegado vídeo diretamente ao Ministério Público ou enviando-o através de um email criado especificamente para o efeito, o que se pretendia para garantir a proteção técnica necessária e o anonimato do remetente.

O Ministério Público recebeu gravações de áudio de conversas atribuídas a algumas testemunhas, entre as quais uma testemunha que admitiu ter recebido o vídeo do incidente através do seu email em 2015 e que o apagou sem o ver.

O Ministério Público contactou a empresa proprietária do referido domínio de correio eletrónico e que opera os seus servidores na tentativa de recuperar o vídeo, mas foi informado de que era tecnicamente impossível.

Após a conclusão da investigação, o Ministério Público apresentou novamente seus autos para ponderar as provas que possuía contra os réus e considerou que faltavam em vários aspectos e, portanto, eram insuficientes no contexto de um processo penal. De acordo com o depoimento do Ministério Público, houve discrepâncias quanto à data da festa privada durante a qual o estupro coletivo ocorreu, o que lançou dúvidas sobre os depoimentos das testemunhas e prejudicou a capacidade dos promotores de colocar suspeitos e outros na cena do crime e determinar cabalmente o extensão do seu envolvimento. Outro contratempo foi a incapacidade da promotoria em localizar o suposto vídeo, que ainda não foi apresentado à promotoria.

O Ministério Público também revelou que algumas testemunhas se retrataram de suas declarações anteriores em apoio ao caso da vítima, enquanto outras alegaram que o incidente foi um encontro sexual consensual e que a vítima voluntariamente tomou uma droga de estupro, acrescentando que muitos dos relatos compartilhados pelas testemunhas foram boato.

O comunicado acrescentou que a “indolência” em denunciar o crime quase seis anos após o fato também representou contestação à acusação e prejudicou o caso.

O Ministério Público concluiu a sua declaração afirmando que as ordens expedidas neste caso são temporárias e que pode reabrir a investigação se surgirem novas provas antes de expirar o prazo de prescrição.

O QUE É O CRIME FAIRMONT?
O crime de Fairmont envolveu drogas e estupro coletivo de uma jovem em uma festa particular no hotel cinco estrelas Fairmont Nile City. O estupro foi capturado em vídeo que teria sido compartilhado pelos estupradores e seus conhecidos. No final do mês passado, o Ministério Público do Egito emitiu uma declaração convocando potenciais testemunhas e pessoas de interesse no caso para entregar o vídeo do suposto estupro coletivo e revelou que algumas capturas de tela do vídeo foram enviadas de uma conta anônima de mídia social.

O estupro coletivo da jovem não foi mencionado por anos, apenas para vir à tona publicamente após o caso histórico de Ahmed Bassam Zaki, que viu o estuprador e assediador ser preso após ser acusado de estupro e abuso sexual por dezenas de mulheres .

Segundo fontes, muitos conhecidos dos estupradores sabiam de crimes sexuais cometidos pelos estupradores de gangues acusados, mas permaneceram em silêncio – alguns por medo e outros por solidariedade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.